Arquivos de Categoria: Teologia

Considerando o contexto da pandemia de Covid-19, explique, em um texto dissertativo de 250 a 350 palavras, como líderes políticos e religiosos podem se valer do medo escatológico para promover agendas pessoais em detrimento das medidas sanitárias cruciais para a saúde pública. Utilize exemplos históricos e contemporâneos para embasar sua análise, considerando a influência do medo escatológico na formulação de políticas e no comportamento social.

Considerando o contexto da pandemia de Covid-19, explique, em um texto dissertativo de 250 a 350 palavras, como líderes políticos e religiosos podem se valer do medo escatológico para promover agendas pessoais em detrimento das medidas sanitárias cruciais para a saúde pública. Utilize exemplos históricos e contemporâneos para embasar sua análise, considerando a influência do medo escatológico na formulação de políticas e no comportamento social.

Olá, somos a Prime Educacional!

Nossa equipe é composta por profissionais especializados em diversas áreas, o que nos permite oferecer uma assessoria completa na elaboração de uma ampla variedade de atividades. Estamos empenhados em garantir a autenticidade e originalidade de todos os trabalhos que realizamos.

Ficaríamos muito satisfeitos em poder ajudar você. Entre em contato conosco para solicitar o seu serviço.

Aponte o celular para abrir o WhatsApp

ou clique aqui

Na segunda metade do século XIV, a ascensão do forte medo escatológico estava ligada à difusão da Peste Negra e também dos problemas relacionados ao grande cisma que dividiu a cristandade ocidental entre Avignon e Roma, colocando em xeque a legitimidade entre as massas de excomungados de ambos os lados. Nesses tempos, estoura a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra, no início, impulsionada por disputas sucessórias ao trono francês, depois acentuada pela dominação da rica região de Flandres. São desse período as revoltas populares, ocasionadas nas regiões onde se instalaram os conflitos da guerra em questão, ocasionados pelos altos impostos cobrados para a manutenção do conflito” (Oliveira; Silva, 2018, p. 81).

Na segunda metade do século XIV, a ascensão do forte medo escatológico estava ligada à difusão da Peste Negra e também dos problemas relacionados ao grande cisma que dividiu a cristandade ocidental entre Avignon e Roma, colocando em xeque a legitimidade entre as massas de excomungados de ambos os lados. Nesses tempos, estoura a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra, no início, impulsionada por disputas sucessórias ao trono francês, depois acentuada pela dominação da rica região de Flandres. São desse período as revoltas populares, ocasionadas nas regiões onde se instalaram os conflitos da guerra em questão, ocasionados pelos altos impostos cobrados para a manutenção do conflito” (Oliveira; Silva, 2018, p. 81).

 

Fonte: OLIVEIRA, F. R. de; SILVA, S. H. J. História da Igreja I. Maringá: UniCesumar, 2018.

 

Considerando o contexto da pandemia de Covid-19, explique, em um texto dissertativo de 250 a 350 palavras, como líderes políticos e religiosos podem se valer do medo escatológico para promover agendas pessoais em detrimento das medidas sanitárias cruciais para a saúde pública. Utilize exemplos históricos e contemporâneos para embasar sua análise, considerando a influência do medo escatológico na formulação de políticas e no comportamento social.

TEXTO 2 “As sociedades europeias dos séculos que marcam o início da modernidade tinham uma religiosidade exacerbada, digo religiosidade entendendo-a como formas e práticas para além do limite institucional, vivenciados nas mais diversas configurações. No entanto, o discurso dos religiosos, como padres, bispos, arcebispos e freis, sempre teve grande recepção e repercussão no ocidente europeu. Trabalhar com o medo sempre foi, desde os tempos imemoriais, uma excelente tática de se fazer ouvir, um trunfo. Neste aspecto, as mazelas pelas quais a sociedade passava serviu de munição para Igreja, que intensificou a ideia de: arrependei-vos, pois o fim está próximo.

 

TEXTO 2

“As sociedades europeias dos séculos que marcam o início da modernidade tinham uma religiosidade exacerbada, digo religiosidade entendendo-a como formas e práticas para além do limite institucional, vivenciados nas mais diversas configurações. No entanto, o discurso dos religiosos, como padres, bispos, arcebispos e freis, sempre teve grande recepção e repercussão no ocidente europeu. Trabalhar com o medo sempre foi, desde os tempos imemoriais, uma excelente tática de se fazer ouvir, um trunfo. Neste aspecto, as mazelas pelas quais a sociedade passava serviu de munição para Igreja, que intensificou a ideia de: arrependei-vos, pois o fim está próximo.

Na segunda metade do século XIV, a ascensão do forte medo escatológico estava ligada à difusão da Peste Negra e também dos problemas relacionados ao grande cisma que dividiu a cristandade ocidental entre Avignon e Roma, colocando em xeque a legitimidade entre as massas de excomungados de ambos os lados. Nesses tempos, estoura a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra, no início, impulsionada por disputas sucessórias ao trono francês, depois acentuada pela dominação da rica região de Flandres. São desse período as revoltas populares, ocasionadas nas regiões onde se instalaram os conflitos da guerra em questão, ocasionados pelos altos impostos cobrados para a manutenção do conflito” (Oliveira; Silva, 2018, p. 81).

 

Fonte: OLIVEIRA, F. R. de; SILVA, S. H. J. História da Igreja I. Maringá: UniCesumar, 2018.

 

Considerando o contexto da pandemia de Covid-19, explique, em um texto dissertativo de 250 a 350 palavras, como líderes políticos e religiosos podem se valer do medo escatológico para promover agendas pessoais em detrimento das medidas sanitárias cruciais para a saúde pública. Utilize exemplos históricos e contemporâneos para embasar sua análise, considerando a influência do medo escatológico na formulação de políticas e no comportamento social.

TEXTO 1 Figura 1 – Paul Fürst, Der Doctor Schnabel von Rom (coloured version) Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Paul_F%C3%BCrst,_Der_Doctor_Schnabel_von_Rom_(coloured_version).png. Acesso em: 23 abr. 2024.

ATIVIDADE 1 – TEOL – HISTÓRIA DO CRISTIANISMO: DAS COMUNIDADES CRISTÃS PRIMITIVAS À REFORMA PROTESTANTE – 52_2024

 

TEXTO 1

Figura 1 – Paul Fürst, Der Doctor Schnabel von Rom (coloured version)

Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Paul_F%C3%BCrst,_Der_Doctor_Schnabel_von_Rom_(coloured_version).png. Acesso em: 23 abr. 2024.

 

TEXTO 2

“As sociedades europeias dos séculos que marcam o início da modernidade tinham uma religiosidade exacerbada, digo religiosidade entendendo-a como formas e práticas para além do limite institucional, vivenciados nas mais diversas configurações. No entanto, o discurso dos religiosos, como padres, bispos, arcebispos e freis, sempre teve grande recepção e repercussão no ocidente europeu. Trabalhar com o medo sempre foi, desde os tempos imemoriais, uma excelente tática de se fazer ouvir, um trunfo. Neste aspecto, as mazelas pelas quais a sociedade passava serviu de munição para Igreja, que intensificou a ideia de: arrependei-vos, pois o fim está próximo.

Na segunda metade do século XIV, a ascensão do forte medo escatológico estava ligada à difusão da Peste Negra e também dos problemas relacionados ao grande cisma que dividiu a cristandade ocidental entre Avignon e Roma, colocando em xeque a legitimidade entre as massas de excomungados de ambos os lados. Nesses tempos, estoura a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra, no início, impulsionada por disputas sucessórias ao trono francês, depois acentuada pela dominação da rica região de Flandres. São desse período as revoltas populares, ocasionadas nas regiões onde se instalaram os conflitos da guerra em questão, ocasionados pelos altos impostos cobrados para a manutenção do conflito” (Oliveira; Silva, 2018, p. 81).

 

Fonte: OLIVEIRA, F. R. de; SILVA, S. H. J. História da Igreja I. Maringá: UniCesumar, 2018.

 

Considerando o contexto da pandemia de Covid-19, explique, em um texto dissertativo de 250 a 350 palavras, como líderes políticos e religiosos podem se valer do medo escatológico para promover agendas pessoais em detrimento das medidas sanitárias cruciais para a saúde pública. Utilize exemplos históricos e contemporâneos para embasar sua análise, considerando a influência do medo escatológico na formulação de políticas e no comportamento social.

 

A evangelização e a responsabilidade social são inseparáveis. O evangelho é boa nova acerca do Reino de Deus. As boas obras, por outro lado, são os sinais do Reino para as quais fomos criados em Cristo Jesus. A palavra e a ação estão indissoluvelmente unidas na missão de Jesus e de seus após tolos, e devemos mantê-las unidas na missão da Igreja, na qual se prolonga a mis são de Jesus até o final do tempo.

ATIVIDADE 1 – TEOL – ÉTICA CRISTÃ E RESPONSABILIDADE SOCIAL – 52 _2024

 

A evangelização e a responsabilidade social são inseparáveis. O evangelho é boa nova acerca do Reino de Deus. As boas obras, por outro lado, são os sinais do Reino para as quais fomos criados em Cristo Jesus. A palavra e a ação estão indissoluvelmente unidas na missão de Jesus e de seus após tolos, e devemos mantê-las unidas na missão da Igreja, na qual se prolonga a mis são de Jesus até o final do tempo.

 

Fonte: CUNHA, M., J., S. Ética Cristã e Responsabilidade Social. Maringá: Unicesumar, 2018. 

Considerando o texto apresentado, escreva sobre a missão integral e se você a considera importante dentro da realidade igreja brasileira.

Obs.: o texto deverá conter até 200 palavras. Lembre-se de utilizar referências.

 

Leia com atenção o trecho a seguir: “A música toca todas as dimensões do ser humano, passando pela dimensão cognitiva, a emocional, bem como a corporal. Tem um caráter integrador, ajudando a superar a fragmentação ou o sem-sentido da vida, o que pode preparar ou mesmo acompanhar a conexão com Deus, experiência integradora do humano por excelência. Ela ajuda a despertar experiências profundas e, por isso, torna-se linguagem privilegiada da evocação da presença do transcendente no cotidiano. Por isso, a música é parte essencial das celebrações religiosas, bem como das experiências pessoais de oração” (Pena; Bejarano, 2023, p. 214).

ATIVIDADE 1 – TEOL – ESPIRITUALIDADE CRISTÃ – 52 _2024

 

Leia com atenção o trecho a seguir:

 

“A música toca todas as dimensões do ser humano, passando pela dimensão cognitiva, a emocional, bem como a corporal. Tem um caráter integrador, ajudando a superar a fragmentação ou o sem-sentido da vida, o que pode preparar ou mesmo acompanhar a conexão com Deus, experiência integradora do humano por excelência. Ela ajuda a despertar experiências profundas e, por isso, torna-se linguagem privilegiada da evocação da presença do transcendente no cotidiano. Por isso, a música é parte essencial das celebrações religiosas, bem como das experiências pessoais de oração” (Pena; Bejarano, 2023, p. 214).

 

Fonte: PENA, L.; BEJARANO, M. Espiritualidade Cristã. Florianópolis: Arqué, 2023.

 

Com base nos pressupostos da disciplina, disserte sobre o seguinte tema: qual é o papel da música na liturgia do culto cristão e a sua relação com a espiritualidade?

Sociedade do cansaço é um termo utilizado pelo filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, que também é responsável pelo conceito de “sociedade do desempenho”. Tendo isso em vista, conceitue o que é “Sociedade do Cansaço” em Byung-Chul Han, discorrendo sobre as suas principais características e descreva e justifique três situações dessa sociedade que ocorrem no seu cotidiano nos dias atuais.

Sociedade do cansaço é um termo utilizado pelo filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, que também é responsável pelo conceito de “sociedade do desempenho”. Tendo isso em vista, conceitue o que é “Sociedade do Cansaço” em Byung-Chul Han, discorrendo sobre as suas principais características e descreva e justifique três situações dessa sociedade que ocorrem no seu cotidiano nos dias atuais.

No entanto, Sociedade do Cansaço se refere ao efeito final de uma sociedade performática ou, como diria Byung-Chul Han, de uma sociedade do rendimento. 

ATIVIDADE 1 – TEOL – CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS – 52 _2024

 

No entanto, Sociedade do Cansaço se refere ao efeito final de uma sociedade performática ou, como diria Byung-Chul Han, de uma sociedade do rendimento. 

 

​SANTANDER, Pablo Araya. Ciências Humanas e Sociais. Maringá – PR.: UniCesumar, 2020.

 

Sociedade do cansaço é um termo utilizado pelo filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, que também é responsável pelo conceito de “sociedade do desempenho”. Tendo isso em vista, conceitue o que é “Sociedade do Cansaço” em Byung-Chul Han, discorrendo sobre as suas principais características e descreva e justifique três situações dessa sociedade que ocorrem no seu cotidiano nos dias atuais.

Home
Minha Conta
Carrinho
Downloads